Às 15h30min deste domingo (17), após 11 meses e cerca de 210 mil vítimas desde o início da pandemia de coronavírus no país, uma enfermeira de São Paulo foi a primeira pessoa a ser vacinada contra a covid-19 no Brasil. 

O ato foi realizado no Centro de Convenções do Hospital das Clínicas minutos depois de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concordar com o uso emergencial de 6 milhões de doses da CoronaVac e 2 milhões da vacina de Oxford.

Em tese, o início da imunização deve aguardar publicação no Diário Oficial da União de um termo do compromisso em que o Instituto Butantan se compromete a fornecer dados mais detalhados sobre o produto à Anvisa — como isso ocorrerá por via eletrônica, espera-se que ocorra nas próximas horas. Os primeiros lotes do imunizante de Oxford ainda não têm prazo para chegar da Índia.

LEIA MAIS

Segundo o governo de São Paulo, a enfermeira Mônica Calazans, 54 anos, recebeu a dose antes disso porque foi voluntária durante a fase de ensaio clínico, quando havia recebido um placebo. Todos os voluntários que receberam o placebo terão direito, conforme o governo paulista, a se proteger com o imunizante de fato.

Mônica foi cumprimentada pelo governador de São Paulo, João Dória, antes de sentar em uma cadeira e receber, sob o foco de câmeras fotográficas e de emissoras de TV, a primeira aplicação no país após liberação de uso em caráter de urgência. Logo depois da injeção, bastante emocionada, sorriu e acenou. 

Ela trabalha como enfermeira na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo. Do grupo de risco para o coronavírus, ela é obesa, hipertensa e diabética. Ainda assim, trabalha na linha de frente do combate ao vírus. Viúva, mora em Itaquera, na zona leste de São Paulo, com um filho de 30 anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here